FÍGADO
Hepatite C
A Hepatite C é uma infecção do fígado causada pelo vírus da Hepatite C ( VHC ). Calcula-se que em Portugal há cerca de 170.000 pessoas infectadas pelo VHC (1,5% da população) com cerca de 700 novos casos por ano. No Brasil há cerca de 5 milhões de pessoas infectadas. No mundo há mais de 170 milhões de pessoas infectadas (3% da população mundial) COMO SE TRANSMITE O VÍRUS DA HEPATITE C? O VHC é transmitido principalmente pelo sangue. Como a transmissão pela transfusão de sangue hoje (depois de 1992) quase desapareceu, a maior parte dos doentes são toxicómanos intravenosos. No entanto, embora raramente, a transfusão de sangue pode ainda ser um meio de transmissão. A cocaína intra nasal, o piercing e a hemodiálise são outros possíveis meios de transmissão. A transmissão por via sexual é pouco frequente, assim como, a transmissão vertical (da mãe para o filho). Não se recomenta que mãe deixe de amamentar. A transmissão através das laminas de barbear e da escova de dentes é muito rara. A Hepatite C não se transmite pelo beijo, pelo espirro, pela tosse, utensílios de cozinha, pratos ou copos. Ninguém deve ser excluído do trabalho, da escola, da creche etc. porque não representa qualquer perigo. A Hepatite C crónica pode curar em cerca de 70% dos casos mas o VHC é responsável por cerca de 40% das cirroses, 30% dos transplantes do fígado e 60% dos cancros do fígado. O VHC é indubitavelmente um vírus oncogénico. HEPATITE C AGUDA Após o contágio há um período de incubação em média de 8 semanas. A infecção aguda dá icterícia (cor amarela dos olhos e pele) em 20% dos casos mas em 80% dos casos não aparece icterícia (hepatite anictérica) e os outros sintomas, falta de força (astenia), falta de apetite (anorexia), náuseas, dor abdominal são muito ligeiros ou nem aparecem (hepatite assintomática). Por todos este motivos é raro fazer-se o diagnóstico da Hepatite C Aguda porque a doença passa desapercebida. As transaminases estão elevadas e, se houver suspeitas da infecção o diagnóstico estabelece-se pelos marcadores do vírus da Hepatite C (VHC). Em cerca de 30% dos casos a Hepatite C Aguda é uma doença auto-limitada, evolui para a cura. Em cerca de 70% dos casos a Hepatite C Aguda evolui para infecção crónica: Hepatite C Crónica. HEPATITE C CRÓNICA A hepatite crónica é na maior parte dos casos silenciosa. A fadiga é o sintoma mais frequente mas o doente pode nalguns casos sentir outros sintomas. Cerca de 25% dos doentes com Hepatite Crónica C, mantém as transaminases normais, mas os marcadores da hepatite C são positivos. O prognóstico desde doentes é provavelmente bom. Cerca de 50% dos doentes têm transaminases moderadamente elevadas e geralmente não têm sintomas. A biopsia mostra lesões leves no fígado. A evolução desta hepatite crónica é lenta e apenas uma pequena parte atinge formas mais graves. Cerca de 25% têm formas de hepatite crónica mais grave. A biopsia hepática mostra lesões mais graves embora sejam assintomáticos ou apresentem ligeira fadiga. A maior parte destes doentes desenvolve cirrose em 10 - 15 anos. EVOLUÇÃO DA HEPATITE C CRÓNICA PARA CIRROSE E CANCRO DO FÍGADO Se a Hepatite C Crónica não for tratada pode, nalguns casos, evoluir para cirrose (20-30% dos casos) e cerca de 4% dos casos podem evoluir para cancro do fígado A evolução para cirrose é muito variável no tempo, podendo demorar entre 20 a 50 anos. A cirrose pode ser silenciosa durante muitos anos, sem se complicar. As complicações são: icterícia, hemorragia digestiva, ascite ou cancro do fígado. A evolução da doença na maior parte dos casos é lenta mas, alguns factores, podem acelerar a sua progressão: a ingestão crónica de álcool, ser do sexo masculino, a idade no momento da infecção, a obesidade, a diabetes, coinfecção com o HIV. ( A infecção adquirida depois dos 40 anos de idade tem uma evolução mais rápida do que a adquirida em idades jovens.) A infeção crónica é definida pela presença no soro de: Anti-VHC ARN-VHC (PCR-RT) é importante excluir a existência de outras causas de doença do fígado: hepatite B, hepatite autoimune, hemocromatose, deficiência de alfa1-antitripsina, doença de Wilson... COMO SE FAZ A PREVENÇÃO DA HEPATITE C? Não existe vacina, nem imunização eficaz após a exposição. Programas de metadona e de troca de agulhas nos consumidores de drogas intravenosas devem ser estimulados O uso de preservativo é aconselhado nas relações heterossexuais de risco e aos homens homossexuais.

TRATAMENTO DA HEPATITE C CRÓNICA

A finalidade do tratamento é eliminar o vírus da hepatite C (VHC) para: parar o progresso da doença do fígado prevenir o desenvolvimento da hepatite crónica A cura clínica é determinada pela negativação do RNA VHC durante 6 meses depois de terminar a terapêutica. AGENTES ANTIVIRAIS:
Microscopia electrónica do vírus da Hepatite C
cancro do fígado
20%
80%
CURA
Hepatite C crónica
cirrose
20-30%
4%
hepatite c aguda