Dor abdominal

O QUE É O ABDÓMEN?

O abdómen ou abdome é a parte do corpo humano que fica entre o tórax e a bacia. Também se emprega a palavra ventre para designar esta parte do corpo. Dizemos prisão de ventre para designar a obstipação. Também empregamos a palavra ventre referindo-nos ao útero: " bendito é o fruto do vosso ventre ". Barriga é um termo popular. Para algumas pessoas, barriga é apenas a porção do abdómen abaixo do umbigo. Também se emprega barriga com o sentido de proeminência do abdómen: "ter barriga", e ainda com significado de gravidez: " andar de barriga". A palavra abdómen deriva do latim abdere que significa escondido, encerrado. Felizmente, a endoscopia, a ecografia, a TAC a RM vieram, nos últimos anos, "abrir" esta cavidade escondida, inacessível, do nosso corpo. Ainda há poucos anos o cirurgião abria, com o bisturi, a parede abdominal (laparotomia exploradora), para fazer o diagnóstico de muitas situações: o diagnóstico só era possível abrindo a barriga para a examinar. Hoje, felizmente, esse meio de diagnóstico raramente se utiliza. Os órgãos que estão dentro do abdómen deixaram de estar tão escondidos. As novas técnicas de imagem permitem-nos observar directa ou indirectamente, os órgãos intra-abdominais, sem haver necessidade de abrir a parede abdominal sem a necessidade de fazer uma laparotomia exploradora. A natureza subjectiva da dor, e a influência dos factores emocionais e físicos pode dificultar e, dificulta muitas vezes, o diagnóstico. No entanto, o tipo de dor, a intensidade, a localização, a irradiação, a duração temporal e os sintomas acompanhantes permitem, ao médico, suspeitar com alguma certeza, qual o órgão que causa a dor e até, qual a doença que está na origem da dor. Com a descrição da dor, com a observação, a palpação do abdómen e, servindo- se de algumas técnicas de diagnóstico (imagiológicas, endoscópicas, análises ao sangue etc.), o médico procura confirmar a sua suspeita, procura chegar a uma certeza mas, por vezes, persiste a dúvida e nunca se encontra uma causa evidente. É frequente a "dor abdominal de causa desconhecida ". A descrição que nós fazemos ao nosso médico, das características da nossa dor, pode ser mais importante do que qualquer exame e, com frequência os exames são todos normais, ou a "alteração" que é descrita no relatório do exame não justifica a existência da dor. Nas doenças que mais frequentemente, causam dor abdominal crónica, todos os exames são normais. Estas doenças do Aparelho Digestivo, com sintomas por vezes incomodativos, mas que escapam aos exames actuais, deixam muitas vezes as pessoas confundidas, baralhadas, porque pensam que todas as doenças têm uma alteração estrutural ou bioquímica que não pode escapar à sofisticada tecnologia que hoje possuímos. Mas não é assim: muitas vezes depois de realizados os exames possíveis e necessários a causa continua desconhecida. “Já fui a três médicos e cada um diz sua coisa. Os exames são todos normais” é um desabafo frequente.

1 - DOR ABDOMINAL AGUDA

A dor abdominal aguda tem aparecimento repentino e exige actuação médica ou cirúrgica rápida. Pode ser causada por inflamação, por perfuração, obstrução ou enfarto de um dos órgão da cavidade abdominal. A inflamação do apêndice, (Apendicite), a inflamação da vesícula com cálculos (Colecistite), a inflamação do pâncreas (Pancreatite), a perfuração duma Úlcera do Duodeno ou do Estômago, uma pedra que obstrui as vias urinárias (cólica renal), uma pedra que obstrui a via biliar (cólica biliar) a gravidez fora do útero (Gravidez Ectópica), a inflamação dos divertículos do cólon (Diverticulite Aguda), a Isquemia Aguda do Intestino, a Rotura dum Aneurisma, a Obstrução do Intestino Delgado... são as causas mais frequentes de dor abdominal aguda e, exigem uma intervenção médica ou cirúrgica rápida. A vida pode estar em perigo. A história que o indivíduo ou os familiares contam, a observação e a palpação do abdómen feita pelas mãos do médico, as análises ao sangue, as técnicas de imagem (Rx, Eco, TAC) ajudam o médico, a estabelecer um diagnóstico correcto e a iniciar uma terapêutica médica ou cirúrgica no tempo oportuno. A dor abdominal aguda leva o doente ao Serviço de Urgência e exige decisões imediatas. O tratamento médico ou na maior parte dos casos cirúrgico, é inevitável

DOR ABOMINAL CRÓNICA:

Quando a dor abdominal se arrasta durante meses e anos, duma maneira contínua ou intermitente, não impõe um tratamento imediato e a investigação, para esclarecer a causa da dor, não tem o carácter urgente da dor abdominal aguda. As causas mais frequentes da dor abdominal crónica são afecções funcionais: Dispepsia Funcional e/ou Síndrome do Intestino Irritável. Calcula-se entre 15% a 25% da população do mundo ocidental sofre de Síndrome do Intestino Irritável e que, cerca de 50% dos doentes que consultam o gastrenterologista, têm Síndrome do Intestino Irritável ou Dispepsia Funcional. No Síndrome da Dor Abdominal Crónica Benigna (Síndrome da Dor Abdominal Funcional) sobretudo frequente na mulher, a dor persiste durante meses ou anos intermitente ou continua mas, sem relação ou só com esporádica relação com as refeições, com a defecação ou com a menstruação. Os exames complementares (Rx, Eco, TAC, endoscopia etc.) nestas, como em outras Doenças Funcionais são todos normais. A Úlcera do Estômago ou Duodeno, as Doenças Inflamatórias do Intestino (Colite ulcerosa, Doença de Crohn) ,os Cálculos da Vesícula, a Pancreatite Crónica, a Isquemia Crónica, a Diabetes, a Porfíria, as doenças musculares ou ósseas são algumas das possíveis causas orgânicas de dor crónica localizada no abdómen. Nestes casos o diagnóstico confirma-se com o Rx, ou endoscopia, ou ECO ou outra técnica. A história contada pelo individuo sobre o aparecimento da dor, sobre a sua evolução, os outros sintomas que a acompanham e, ainda o exame laboratorial do sangue, os exames de imagem ( Rx, Eco, TAC etc. ) e exames endoscópicos permitem, muitas vezes ao médico, a curto prazo, fazer um diagnóstico correcto. Se o individuo tem mais de 50 anos e existem sinais de alarme: emagrecimento, anemia, vómitos, alterações do transito; o médico redobra os cuidados na investigação para ter a certeza de que não se trata de nenhum cancro que exija tratamento mais rápido. A dor abdominal crónica é um sintoma muito frequente. Há inquéritos, que mostram, que mais de 20% da população refere ter dor abdominal. Segundo dados de 2002 do National Ambulatory Medical Care Survey dos USA é o sintoma do Aparelho Digestivo que mais doentes leva à consulta de gastrenterologia ultrapassando o triplo dos doentes com diarreia. Na maior parte dos doentes (mais de 60%) com dor abdominal crónica nunca se consegue um diagnóstico específico. TRATAMENTO DA DOR ABDOMINAL CRÓNICA O tratamento da dor abdominal crónica é, o tratamento da causa que lhe deu origem. Mas, como ficou escrito, o diagnóstico correcto não se consegue em grande número de casos e, conhecemos mal, a fisiopatologia da dor visceral. O sucesso no alívio da dor exige um grande empenho e dedicação do médico e, mesmo assim, nem sempre se consegue. As Doenças Funcionais são as causas mais frequentes de dor abdominal crónica: Dispepsia Funcional, Síndrome do Intestino Irritável, Síndrome da Dor Abdominal Crónica Benigna. Estas doenças são benignas mas, muitas vezes, o alívio da dor não é fácil de conseguir. As pessoas, andam de médico em médico, de medicina alternativa em medicina alternativa à procura dum alívio para a sua dor que, muitas vezes, não se consegue. O medo de ter uma doença grave leva á repetição inútil de exames, a dinheiro gasto desnecessariamente, a multiplicação de diagnósticos alguns desses diagnósticos são disparates sem nenhum fundamento científico, mas que infelizmente entraram na linguagem: colite seca e colite húmida, colite nervosa, vesícula preguiçosa, toque no fígado, gastrite nervosa, úlcera nervosa, estômago descaído etc. etc.; e, constituem, com frequência, o calvário, das pessoas com uma Doença Funcional - doença benigna, mas incomodativa e crónica. O nosso médico será o nosso melhor conselheiro, explicando-nos o carácter crónico, recorrente, mas benigno da nossa afecção que, muitas vezes melhora ou desaparece com o tempo, e nunca se transforma em nada de grave. VER - DOENÇAS FUNCIONAIS Em Inglês: Irritable bowel syndrome (IBS)   ou Irritable Bowel Syndrome
SINTOMAS