Síndrome do intestino irritável

O Síndrome do Intestino Irritável (SII) ou Síndrome do Cólon Irritável, ou simplesmente Cólon Irritável, é uma das afecções mais frequentes do tubo digestivo. É uma das principais causas de consulta quer ao Médico de Família quer ao Gastrenterologista e ao Ginecologista. Atinge cerca de 15% a 25% da população do mundo ocidental sendo duas vezes mais frequente no sexo feminino. Não existe, no Síndrome de Intestino Irritável, nenhum substrato estrutural ou bioquímico conhecido. Quer isto dizer que todos os exames que o nosso médico nos mande realizar são normais. QUAL A CAUSA DO SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL? A causa ( ou causas ) é desconhecida. O melhor conhecimento que se adquiriu nos últimos anos sobre as vias nervosas e sobre os mecanismos de modulação vieram trazer alguma luz na compreensão da natureza básica desta perturbação: a excessiva irritabilidade dos mecanismos nervosos locais sobretudo ao nível do cólon. Os estímulos psicológicos, inflamatórios, infecciosos podem, devido à excitabilidade exagerada das vias nervosas no síndrome do intestino irritável, desencadear uma hiperactividade motora que leva a alterações do transito intestinal, ao desconforto, e à dor. A ansiedade e o stress estão com frequência associados a este síndrome. Em conclusão a causa estará relacionada com a mucosa, com a motilidade e com alterações psíquicas. Recentemente tem-se valirizado as alterações na microbiota. Realçando o eixo: cerebro-intestino-microbiota.

QUAIS OS SINTOMAS E SINAIS?

O consenso de Roma estabeleceu em Maio de 2016 os novos crítérios de diagnóstico. VER ROME IV A dor ou desconforto do abdómen, a alteração dos hábitos intestinais (obstipação / diarreia, só obstipação ou só diarreia - por obstipação entende-se defecar menos de 3 vezes por semana e por diarreia fezes moles mais de 3 vezes por dia), e a distensão abdominal, (flatulência) são os sintomas principais deste síndrome. A dor abdominal pode agravar-se com as refeições (a lista de alimentos que agravam a dor ou o desconforto é interminável) e, alivia com a defecação. A ansiedade e a depressão são também factores, por vezes, relacionados com o aparecimento dos sintomas. Geralmente depois de defecar fica a sensação de que a defecação foi incompleta, parece que as fezes ainda ficaram no intestino. A saída de muco com as fezes é frequente. Com frequência, a estas queixas sobrepõem- se as queixas da Dispepsia Funcional (náuseas, vómitos, enfartamento... ). A dor menstrual (dismenorreia), a vontade frequente de urinar (polaciúria) a dor nas relações sexuais (dispareunia), a enxaqueca e as dores musculares são sintomas frequentemente observados no Síndrome de Intestino Irritável. Com alguma frequência os sintomas aparecem algum tempo ( dias ou meses) depois duma gastroenterite um dum episódio de stess. É frequente encontrar nos doentes com Síndrome do Intestino Irritável outros síndromes também funcionais. além da Dispepsia Funcional
Dor torácica Dor pélvica Fadiga crónica "Fibromialgia" Etc. As operações inúteis com mais frequência realizadas por causa do SII são: colecistectomia, apendicectomia e histerectomia.

COMO SE FAZ O DIAGNÓSTICO?

O diagnóstico baseia-se por um lado nas nossas queixas e por outro na exclusão duma doença orgânica. Para excluir uma doença orgânica pode ser necessário, realizar vários exames: hematológicos e bioquímicos ao sangue, técnicas de imagem radiológicas, endoscópicas, ecográficas etc. No síndrome de intestino irritável nenhum dos exames mostra alterações, todos os exames são normais. Existem critérios (chamados critérios de Roma porque foram definidos em Roma em 1992 e posteriormente já aperfeiçoados que, permitem ao médico, fazer o diagnóstico mesmo sem existir um marcador biológico da doença. Não esquecer que o SII pode coexistir com doenças orgânicas. CRITÉRIOS DE ROMA IV: Dor abdominal recorrente com pelo menos um episódio por dia nos últimos 3 meses com dois ou mais dos seguintes critérios: Relação com a defecação Relação com mudança de frequência das fezes Relação com a mudança na forma das fezes (escala de Bristol)

QUAL O TRATAMENTO?

O Síndrome do Intestino Irritável é uma afecção benigna e que tende com o passar do tempo a melhorar ou a desaparecer. As alterações do transito: Devemos fazer uma dieta rica em fibra e, se a prisão de ventre é o sintoma mais importante. Se necessário, juntamos um laxante de volume. Se a prisão de ventre ainda persistir podemos juntar um laxante osmótico. Se predomina a diarreia e o número de dejecções é incomodativo temos que recorrer à loperamida. A loperamida é o único antidiarreico testado no SII. Usado profilaticamente é mais eficaz do que após a diarreia começar. Quer a dieta com muita fibra, quer os laxantes de volume, quer os laxantes osmóticos podem aumentar a dor abdominal e os gases. A correcção das alterações do transito intestinal exige vontade tempo e paciência. Os gases: As tentativas para corrigir a distensão abdominal são com frequência uma tarefa difícil, que geralmente fracassa. A dor: O nosso médico pode recomendar-nos medicamentos para aliviar a dor e, se um não resulta experimenta outro. Por vezes, infelizmente, o alívio da dor não se consegue com nenhum medicamento. A investigação farmacológica é grande nesta área e novos compostos químicos capazes de bloquear os impulsos nervosos dolorosos estão a ser tentados. O Síndrome do Intestino Irritável é, por vezes, um doença incomodativa, desagradável, difícil de suportar, que leva quem sofre a correr de médico em médico, de medicina alternativa em medicina alternativa, a experimentar dezenas de medicamentos, a gastar rios de dinheiro em exames, à procura duma cura que ainda ninguém conhece. No entanto, o prognóstico é bom. O Síndrome do Intestino Irritável não evolui para nenhuma doença maligna, nem diminui a esperança de vida. Na maior parte dos casos, as queixas são ligeiras e aliviam com uma dieta rica em fibra e uma vida mais tranquila. A doença é na maior parte dos casos suportável. É muito provável que nos próximos anos surjam medicamentos novos que proporcionem alívio nos casos mais incomodativos. A dieta: com frequência as pessoas com Síndrome do Intestino Irritável relacionam os sintomas (dor, diarreia, gazes) com alguns alimentos, por vezes com muitos alimentos, e adoptam uma dieta restritiva. O nosso médico será, também aqui, o nosso melhor conselheiro. As pessoas com Síndrome do Intestino Irritável devem procurar fazer uma alimentação variada, se possível sem restrições. A dieta rica em fibra pode ser útil. Cerca de 20% das pessoas com SII beneficiam com uma dieta sem glúten, outras sentem-se melhor numa dieta sem lactose. Mais restritiva é a dieta FODMAP (Fermentable, Oligo Di-Monossacáridos And Polyols). No site da universidade de MONASH que lançou esta dieta www.monashfodmap.com podem ver-se os pormenores. F = Fermentáveis O = Oligossacarídeos D = Dissacarídeos M = Monossacarídeos A = and P = Polióis A letra “A” é de “And”, em inglês) FODMAP é pois uma sigla em inglês que significa oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis fermentáveis. Esses são tipos de hidratos de carbono (açucares) encontrados em muitas variedades de frutas, legumes e grãos. Os alimentos mais ricos em FODMAPs são: Frutas: maçãs, abacates, cerejas, mangas, pêssegos, peras, melancias, sumos de fruta e frutas desidratadas; Legumes: cebola, alho, repolho, brócolos, couve-de-Bruxelas, espargos, alcachofra, cogumelos, couve-flor; Laticínios: leite, iogurte, queijos moles; Outros: álcoois de açúcar (qualquer adoçante que termina em -ol), mel. Parte dos doentes com SII beneficia com esta dieta numa fase inicial. A ansiedade e o stress muitas vezes associados ao SII podem aconselhar a ajuda do psiquiatra ou do psicólogo.

O SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL PODE EVOLUIR PARA

DOENÇAS GRAVES?

Não. Nem o cancro nem as Doenças Inflamatórias do Intestino (Colite Úlcerosa ou Doença de Crohn) estão associadas ao Síndrome do Intestino Irritável. Alguns doentes, felizmente uma minoria, têm formas do Síndrome do Intestino Irritável mais desagradáveis, em que a dor ou a diarreia lhes podem dificultar uma boa qualidade de vida. Nestes casos a ajuda do nosso médico é ainda mais necessária. OUTRAS DOENÇAS FUNCIONAIS DO INTESTINO O Síndrome de Intestino Irritável e as outras doenças funcionais do Intestino (Distensão Abdominal Funcional, Obstipação Funcional ou Prisão de Ventre Funcional, Diarreia Funcional a que podemos juntar o Síndrome de Dor Abdominal Funcional ou Síndrome da Dor Abdominal Crónica Benigna, e ainda a Proctalgia Fugax e outras doenças funcionais anoretais) afectam uma grande percentagem da população do mundo ocidental. São doenças de causa desconhecida, crónicas, intermitentes e benignas, geralmente sem grandes problemas mas, por vezes, o alívio dos sintomas e uma boa qualidade de vida são difíceis de conseguir. Nas doenças funcionais todos os exames que o médico nos mandar fazer são normais. OUTROS SITES: Em Inglês - Clínica Mayo: Irritable Bowel Syndrome
INTESTINO GROSSO